#Elavence Perfil - A resiliência e desafios do Turismo durante a pandemia

Após sete meses sem retorno financeiro na agência de turismo, Amanda Fabiano se reinventou, buscou novas soluções e incluiu um novo produto para manter as portas abertas.


DA REDAÇÃO DO ELAV - Desde o início da pandemia causada pelo COVID-19 no mundo inteiro a área do turismo foi uma das mais afetadas. Segundo informações da OMT (Organização Mundial Mundial do Turismo) em 2020 houve uma redução de 900 milhões de turistas internacionais entre os meses de janeiro e outubro.


A empreendedora Amanda Fabiano, 32 anos, que administra a agência de viagens Espaço Turismo sentiu os efeitos negativos do próprio negócio no bolso. “Durante a pandemia foram sete meses no zero de vendas, estava tudo fechado, as pessoas estavam receosas e eu precisei achar um novo caminho”, diz.

A solução encontrada foi oferecer serviços para o público B2B, ou seja, atender empresas com serviços de viagens corporativas. Atualmente a agência atende duas empresas na área de construção, um setor que não parou na pandemia e que ajudou muito a agência manter as portas abertas. “Foi um momento muito complicado, mas foi de muito aprendizado e uma maneira de encontrar um novo caminho”, relembra.


O sentimento de Amanda era como "estar dando alguns passos para trás", estava realizando alguns objetivos pessoais, que demandavam alto investimento, e também pagava aluguel de uma sala comercial, ao qual precisou entregar e se adaptar ao home office. “O meu baque maior foi começar a desfazer de coisas que eu sei o quanto foram difíceis conquistar, em especial a sala, não por bem material, mas por toda trajetória”, conta.


Cursos, transmissões ao vivo nas redes sociais e serviços de streaming ficaram em alta nesse período de isolamento, e Amanda aproveitou para se especializar. Reativou a conta no LinkedIn e começou a entrar em contato com as empresas, conseguindo assim novos contratos corporativos.


Não é a primeira vez que Amanda precisa se reinventar, quando decidiu empreender em 2013, abriu sua primeira agência em sociedade com um ex-colega de trabalho.

Com a sociedade desfeita em 2015, voltou para o trabalho CLT e abriu sua própria agência. No começo tentou conciliar as duas coisas, mas logo fez sua escolha e focou 100% no Espaço do Turismo.


O turismo caiu de paraquedas na vida de Amanda e não saiu mais, de acordo com ela, a agência está em crescimento e reforça que as empresas de turismo que conseguiram resistir durante a pandemia, já podem dizer que renasceram e cresceram absurdamente. A procura pelas viagens estão retornando aos poucos, clientes que buscavam por viagens internacionais por exemplo, estão trocando por resorts nacionais , que por enquanto é uma opção mais segura e permitida para brasileiros.


Estudar durante o período de isolamento gerou ideias para a empreendedora, criou e estruturou um novo produto para oferecer para as empresas, um benefício de viagens. São planos que estão saindo do papel, por isso já está aumentando o time para conseguir colocá-los em prática.


“Com a pandemia eu só tive mais certeza do que eu suspeitava, a agência é o meu plano de vida, não consigo me imaginar em outro lugar ou lutar por outra coisa. Eu não quero abrir mão de atender pessoa física, de personalizar a viagem do meu cliente, de desenhar isso para ele, e isso não tem dinheiro que pague. Mas falando como visão de negócio, eu acredito muito nesse novo caminho, nesse novo produto corporativo, sem dúvidas um departamento corporativo está nos nossos próximos passos ”, comenta.


Para Amanda, o turismo é mais que uma viagem, é uma história nova escrita, uma nova experiência, uma nova cultura que as pessoas conhecem. É um tempo a mais com a família e uma nova lembrança com os amigos.

"Viagem não é só férias, é um novo capítulo que a gente escreve na vida", diz.


80 visualizações0 comentário